top of page

A fofoca sobre o status de HIV impulsiona o estigma e limita a aceitação dos cuidados com o HIV



O estigma em torno do HIV é um problema grave em muitas comunidades ao redor do mundo, e um estudo recente em Botswana descobriu que a fofoca é tanto um motivador quanto uma manifestação desse estigma. Os autores do estudo argumentam que a fofoca estigmatiza as pessoas que vivem com HIV, e que o fato de as pessoas fofocarem sobre elas reflete a presença do estigma do HIV naquela comunidade. A combinação fofoca/estigma pode ser particularmente prejudicial, pois pode levar as pessoas que vivem com HIV a se recusarem a procurar tratamento para o HIV como forma de manter seu status de HIV privado e evitar fofocas.


O estudo envolveu a realização de quatro grupos focais e 46 entrevistas com homens e mulheres, dos quais 45 viviam com HIV e 39 tinham seu estado sorológico desconhecido. Os participantes foram questionados sobre crenças e ações estigmatizantes relacionadas ao HIV que haviam sido identificadas em outros estudos, bem como sobre os aspectos culturais do estigma relacionado ao HIV que eram particularmente relevantes no país, incluindo fofocas e a relação entre normas culturais e estigma do HIV.


Os participantes enfatizaram que a fofoca e o estigma do HIV tiveram impactos psicossociais duradouros. Eles explicaram que, enquanto aqueles que fofocavam ou excluíam pessoas vivendo com HIV facilmente esqueciam que o haviam feito, a pessoa afetada por esses atos se lembrava deles por muito tempo. O isolamento social e a exclusão foram outras consequências negativas da fofoca. Vários participantes disseram que as pessoas que vivem com HIV frequentemente se isolam para evitar fofocas.


O estudo também identificou formas de neutralizar os efeitos negativos da fofoca e do estigma relacionados ao HIV. Os autores sugerem que é importante aumentar a conscientização sobre o estigma do HIV e a importância de não espalhar fofocas. Eles também recomendam que as comunidades criem espaços seguros para as pessoas que vivem com HIV se reunirem e discutirem suas experiências. Além disso, os autores enfatizam a importância de abordar as normas culturais que perpetuam o estigma do HIV, incluindo os estereótipos de gênero que associam a promiscuidade com as mulheres e a incapacidade de obter emprego com os homens.


Leia a matéria na íntegra em AidsMap (em inglês)

14 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page