top of page

Pesquisa revela diferenças das pessoas que controlam o HIV mesmo após interromper tratamento



Por João Geraldo Netto - Um estudo recente liderado pelo Dr. Behzad Etemed e sua equipe analisou dados de pessoas que interromperam o tratamento antirretroviral e descobriu diferenças significativas na resposta imunológica entre aqueles que conseguem controlar o vírus sem medicação (controladores pós-tratamento, ou PTCs) e outras pessoas vivendo com HIV. Os PTCs são capazes de manter a carga viral baixa, mesmo sem tomar medicamentos antirretrovirais. A pesquisa investigou várias variáveis imunológicas e encontrou respostas distintas ao HIV nos PTCs em comparação com outros indivíduos.


Essa pesquisa é importante porque nos ajuda a entender melhor os fatores que permitem aos PTCs suprimir a replicação viral do HIV sem medicação. Além disso, abre caminho para estudos adicionais que podem melhorar os testes futuros e fornecer mais informações sobre como algumas pessoas podem controlar o HIV mesmo após interromper o tratamento.


A equipe de pesquisa utilizou dados de um estudo chamado Control of HIV After Medication Pause (CHAMP), realizado pela Universidade de Harvard e pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts. O CHAMP analisou dados de 14 estudos diferentes do Grupo de Ensaios Clínicos de Aids, nos quais os participantes interromperam o tratamento antirretroviral sob supervisão rigorosa. Durante essa interrupção analítica do tratamento, o rebote viral foi comparado entre os grupos para avaliar o sucesso de intervenções específicas na inibição da replicação viral. Alguns participantes não apresentaram rebote viral mesmo sem intervenção, e esses indivíduos foram classificados como PTCs, um fenômeno observado pela primeira vez por pesquisadores franceses em 2013.


No estudo, os PTCs foram definidos como aqueles que mantiveram uma carga viral inferior a 400 cópias/ml em pelo menos dois terços dos exames de sangue realizados mais de 24 semanas após a interrupção do tratamento. Já aqueles que não conseguiram controlar o vírus foram chamados de não controladores (NCs). A resposta viral e imunológica dos participantes foi avaliada nas fases "precoce" e "tardia" após a interrupção do tratamento. Os pesquisadores compararam diferentes fatores imunológicos entre os grupos para identificar os fatores que tornam uma pessoa mais propensa a se tornar um PTC.


Os resultados do estudo mostraram que tanto os PTCs quanto os NCs experimentaram rebote viral após a interrupção do tratamento, mas os NCs tiveram um pico de carga viral mais alto do que os PTCs. Essa diferença na carga viral persistiu tanto na fase inicial quanto na tardia após a interrupção do tratamento. Além disso, a duração da infecção pelo HIV antes do início do tratamento não afetou a resposta viral nos dois grupos.


Durante o tratamento antirretroviral, os reservatórios virais nos dois grupos não apresentaram diferenças significativas. No entanto, durante a interrupção do tratamento, o tamanho do reservatório viral foi significativamente maior nos NCs. A proporção de vírus intactos e defeituosos não diferiu entre os grupos, o que indica que o vírus defeituoso não é a razão pela qual os PTCs conseguem controlar o vírus fora do tratamento.


Os pesquisadores também analisaram as células T, que são células do sistema imunológico, nos dois grupos. Eles descobriram que os PTCs tinham uma proporção maior de células T-CD4+ em relação ao total de células T e uma proporção CD4/CD8 mais alta do que os NCs antes da interrupção do tratamento. Durante a interrupção do tratamento, ambos os grupos apresentaram aumento nos níveis de ativação das células T-CD8+, mas apenas os NCs alcançaram níveis significativos. Além disso, os NCs tiveram aumentos significativos nos níveis de ativação das células T-CD4+, memória central CD4+ e células T de memória efetora CD4+, enquanto os PTCs mantiveram níveis estáveis desses subtipos de células.


O estudo também investigou as respostas específicas das células T contra o HIV. Os resultados mostraram que os PTCs tinham níveis mais altos de células T-CD4+ específicas para a proteína Gag do HIV durante a interrupção precoce do tratamento, enquanto os NCs tinham uma resposta dominante de células T-CD8+ específicas para Gag. As células T-CD4+ específicas para Gag nos PTCs parecem desempenhar um papel importante na supressão do reservatório viral, enquanto a resposta dominante de células T-CD8+ nos NCs pode ser ineficaz.


O estudo também explorou o papel das células natural killer (NK) no controle do HIV. Foi observado que os PTCs tinham níveis mais altos de ativação das células NK antes da interrupção do tratamento. Em ambos os grupos, níveis mais altos de ativação das células NK estavam associados a uma menor ativação do reservatório viral do HIV. Durante a interrupção do tratamento, os PTCs apresentaram um aumento nas células NK CD69+, o que foi associado a um menor rebote viral. Isso sugere que as células NK desempenham um papel importante na supressão do reservatório viral antes da interrupção do tratamento e no controle do rebote viral durante a interrupção.


O estudo também investigou marcadores inflamatórios e sua relação com o tamanho do reservatório viral e o rebote viral. Durante a interrupção do tratamento, os NCs apresentaram um aumento significativo nos níveis de marcadores inflamatórios, como interleucina 10 (IP10), proteína 10 induzida por interferon (IFN-gama) e sCD163. Esses marcadores inflamatórios foram mais fortemente correlacionados com o tamanho do reservatório viral e o rebote viral nos NCs em comparação com os PTCs. Isso indica que um ambiente inflamatório mais intenso está associado a um maior rebote viral e expansão do reservatório de HIV nos NCs.


Com base nessas descobertas, os pesquisadores conseguiram identificar características imunológicas que podem prever a capacidade de uma pessoa de se tornar um PTC após interromper o tratamento. Essas características incluem uma maior proporção de células CD4+, uma relação CD4/CD8 mais alta, uma maior ativação das células NK e uma menor presença de senescência e esgotamento das células T-CD4+. Medir esses marcadores imunológicos em pessoas vivendo com HIV pode ajudar a identificar aqueles que podem controlar o vírus mesmo após interromper a medicação.


Em resumo, esse estudo nos fornece informações importantes sobre o cenário imunológico dos controladores pós-tratamento e como eles conseguem suprimir a replicação viral do HIV sem a necessidade contínua de medicamentos antirretrovirais. Essas descobertas têm implicações significativas, como a possibilidade de identificar indivíduos capazes de controlar o vírus após interromper o tratamento e o desenvolvimento de estratégias para replicar esse cenário imunológico em mais pessoas. No entanto, é importante ressaltar que o estudo tem suas limitações, como o tamanho reduzido da amostra e a influência de diferentes tipos de tratamento antirretroviral nos resultados. Ainda assim, os resultados abrem caminho para pesquisas adicionais e avanços no campo do tratamento do HIV.


Referência

▶︎ ETEMAD B et al. Os controladores pós-tratamento do HIV têm características imunológicas e virológicas distintas. PNAS 120 (11) e2218960120, 2023. https://doi.org/10.1073/pnas.2218960120

52 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page