top of page

Pessoas HIV+, independentemente do CD4 ou carga viral, são mais propensas à infecções por covid-19



Um grande estudo americano da Universidade Johns Hopkins confirma que a infecção por covid-19 é incomum para pessoas totalmente vacinadas, independentemente do status de HIV. No entanto, sua análise também mostra que pessoas totalmente vacinadas com HIV são cerca de 40% mais propensas a apresentar casos de emergência do que pessoas HIV-negativas, independentemente da contagem de CD4 ou supressão viral.


Com apenas dois anos de pandemia global de covid-19, ainda estamos aprendendo como o vírus e suas mutações podem afetar as pessoas com HIV de maneira diferente das outras. No início deste ano, estudos mostrando que pessoas com HIV não suprimido têm resultados de saúde mais graves de covid-19 levaram as vacinas a serem priorizadas para essa população. No mês passado, pesquisas indicando que pessoas com contagens de CD4 mais baixas têm respostas de anticorpos mais fracas às vacinas covid levaram as agências de saúde pública a recomendar uma terceira dose completa de vacina para melhorar a resposta de anticorpos para esse grupo.


Até o momento, poucos estudos analisaram se as pessoas vacinadas com HIV estão mais em risco de avanço do covid-19. Dois estudos observacionais menores analisaram o risco para fatores associados ao avanço, mas não encontraram associações significativas com o fato de ter HIV.


O estudo atual (que ainda não foi revisado por pares), de autoria da Dra. Sally Coburn e colegas, incluiu um total de 109.599 pessoas (31.840 com HIV) de quatro diferentes coortes regionais nos EUA. As pessoas incluídas eram principalmente do sexo masculino (92%), com mais de 55 anos (71%) e negros não hispânicos (41%). Os participantes do estudo foram totalmente vacinados com vacinas da Pfizer (51%), Moderna (43%) ou Johnson & Johnson (6%).


O período coberto nesta análise (janeiro a setembro de 2021) inclui porções de ondas de infecção em que o Delta e as variantes anteriores eram dominantes nos EUA, mas não incluem nenhuma informação relativa à variante Omicron recentemente emergente.


A incidência de infecção de ruptura em toda a população sete meses após ter sido totalmente vacinada foi de 2,3%. Isso variou por tipo de vacina: Johnson & Johnson (3,3%), Pfizer (2,6%) e Moderna (1,7%).


Embora ainda muito baixo, as pessoas vivendo com HIV tiveram uma incidência maior (2,8%) do que as pessoas sem HIV (2,1%). Controlando o status de HIV, os resultados mostraram um risco 41% maior de avanço do covid-19 em pessoas totalmente vacinadas com HIV em comparação com outros. Entre as pessoas que vivem com HIV, os pesquisadores não encontraram diferenças estatisticamente significativas no risco ao comparar cargas virais e contagens de CD4, indicando que todas as pessoas vacinadas com HIV são mais suscetíveis ao avanço do covid-19.


Os pesquisadores sugerem que seus resultados podem impactar as diretrizes sobre a necessidade de doses adicionais de vacinas completas para pessoas que vivem com HIV. Uma dose de reforço é administrada em resposta ao declínio típico dos anticorpos da vacina ao longo do tempo, enquanto uma dose de vacina adicional completa (geralmente chamada de terceira dose) pode ser administrada logo após o regime inicial se o sistema imunológico das pessoas não for forte o suficiente para montar uma resposta de anticorpos suficiente.


Como as pessoas com HIV suprimido demonstraram produzir anticorpos adequados, os estudos até agora não indicaram a necessidade de uma dose completa de vacina adicional para esse grupo. Como resultado, muitas diretrizes de saúde limitam as doses adicionais de vacina para pessoas com HIV àquelas com baixas contagens de CD4 ou altas cargas virais.


Os autores do estudo atual afirmam que a maior probabilidade de avanço do covid-19 mostrada em seus resultados pode justificar a recomendação de uma dose completa adicional da vacina para todas as pessoas com HIV, independentemente da contagem de CD4 e da carga viral. Apesar dessa recomendação, ainda não se sabe se essa abordagem reduziria os casos inovadores ou melhoraria os resultados de saúde em pessoas com HIV adequadamente suprimido.


Acima de tudo, essas descobertas mostram que as vacinas funcionam: o risco absoluto de descoberta é pequeno para pessoas com e sem HIV, mas existe um risco relativo maior de descoberta em pessoas totalmente vacinadas com HIV em comparação com outras.



Referências

1. Coburn S et al. COVID-19 infections post-vaccination by HIV status in the United States. medRxiv, online ahead of print (open access), 6 December 2021.

2. doi: 10.1101/2021.12.02.21267182

3. Full image credit: Art Writ/VCU Capital News Service. Available at www.flickr.com/photos/vcucns/6792819478 under a Creative Commons licence CC BY-NC 2.0.

10 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page