top of page

PEP-in-Pocket (PiP) é outra opção para prevenção do HIV

Atualizado: 11 de mai.



Ter medicamentos antirretrovirais à disposição para serem usados como profilaxia pós-exposição após potencial exposição ao HIV, uma abordagem chamada de PEP-in-pocket, ou PiP, é uma opção de prevenção viável, especialmente para pessoas que têm relações sexuais pouco frequentes.


"Eu realmente acho que o PIP é uma ferramenta adicional forte para pacientes e profissionais de saúde, oferecendo mais opções e uma abordagem mais detalhada para a prevenção do HIV", disse o apresentador Isaac Bogoch, MD, da Universidade de Toronto, à POZ Magazine.


As pílulas de profilaxia pré-exposição (PrEP) tomadas diariamente ou injeções administradas a cada dois meses são altamente eficazes na prevenção do HIV. Tomar as pílulas de PrEP "sob demanda" antes e depois do sexo (conhecido como PrEP 2-1-1) também pode ser uma opção eficaz, especialmente para pessoas que conseguem antecipar quando provavelmente terão relações sexuais.


Outro método eficaz de prevenção é a profilaxia pós-exposição (PEP), que envolve tomar comprimidos de medicamentos antirretrovirais durante um mês, iniciando entre 2 e 72 horas após o sexo ou outros tipos de exposição. A PEP é geralmente fornecida em caráter de emergência após o fato, mas o PEP-in-pocket pode ser uma boa alternativa em certas circunstâncias, por exemplo, se um preservativo se rompe, se uma pessoa tem relações sexuais sem preservativo inesperadamente apenas algumas vezes por ano, se uma pessoa compartilha equipamentos para injetar drogas com pouca frequência ou se uma profissional do sexo está em risco de agressão sexual por um cliente.


Bogoch e sua equipe avaliaram a abordagem PEP-in-pocket em duas clínicas de HIV em Toronto, no Canadá. Após aconselhamento, indivíduos que têm exposições pouco frequentes (zero a quatro vezes por ano), mas de alto risco, de qualquer tipo, receberam uma prescrição de antirretrovirais para terem à disposição, se necessário.


A PEP deve ser iniciada o mais rápido possível após o sexo e até no máximos dentro de 72 horas. Isso pode ser difícil, pois as exposições potenciais podem ocorrer em momentos e lugares em que não é fácil ou conveniente acessar os medicamentos, como durante um fim de semana ou enquanto viaja. Acesso à PEP em caráter de emergência pode ser particularmente desafiador para pessoas que vivem em áreas rurais ou que não têm transporte para uma unidade médica.


Embora dois medicamentos usados como PrEP possam prevenir o HIV de se estabelecer no corpo, a PEP, que é essencialmente um tratamento muito precoce, requer um regime mais forte de três medicamentos. Regimes recomendados de PEP incluem tenofovir disoproxil fumarato/emtricitabina (TDF/FTC) mais dolutegravir; tenofovir alafenamida/emtricitabina (TAF/FTC) mais dolutegravir; e emtricitabina, todos tomados por 28 dias.


Os pesquisadores publicaram um breve relatório sobre o PIP para pessoas com exposições de baixa frequência, mas alto risco de HIV em 2018, divulgaram uma análise de acompanhamento mais extensa na revista AIDS em 2020 e forneceram atualizações na Conferência Europeia sobre AIDS de 2021, na Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas deste ano e na IDWeek da semana passada.


A última análise retrospectiva incluiu 112 pessoas que receberam prescrição de PIP entre fevereiro de 2016 e dezembro de 2022. Elas tinham consultas regulares de acompanhamento a cada quatro a seis semanas. Quase todas (96%) foram designadas como do sexo masculino ao nascer, a maioria era gay ou bissexual e a idade média era de 37 anos. Elas usaram PIP por uma média de 1,6 anos.


Durante o acompanhamento, 35 pessoas (31%) iniciaram por conta própria antirretrovirais após exposição sexual, incluindo 19 que o fizeram mais de uma vez, totalizando 69 cursos de PIP. Os medicamentos foram interrompidos precocemente em cinco casos, quatro após uma avaliação de risco pelos provedores e uma vez devido a efeitos colaterais.


Os participantes "transitaram fluidamente" entre diferentes métodos de prevenção do HIV conforme as circunstâncias exigiam, com quase um terço mudando de PIP para PrEP e uma proporção semelhante mudando de PrEP para PIP. Houve 22 casos de infecções sexualmente transmissíveis bacterianas entre 13 pessoas, sugerindo que alguns deles também poderiam ser candidatos à profilaxia pós-exposição com doxiciclina (doxiPEP). Não foram detectados novos casos de HIV.


"O PIP é uma estratégia inovadora de prevenção do HIV para indivíduos com uma menor frequência de exposições de alto risco ao HIV e proporciona aos pacientes autonomia e agência sobre seu cuidado", concluíram os pesquisadores. "Os pacientes podem transitar entre PIP e PrEP com base na evolução do risco. O PIP deve ser incluído com PEP e PrEP como uma opção de prevenção do HIV biomédica para indivíduos em risco de infecção."


Os benefícios do PIP a curto prazo em comparação com a PrEP contínua incluem menos tempo total com antirretrovirais, potencialmente reduzindo os efeitos colaterais e diminuindo os custos. Uma análise de custos comparando PIP, PrEP diária e PrEP sob demanda está em andamento. Resultados iniciais (com base nos custos de medicamentos e clínicas no Canadá) sugerem que o PIP é cerca de 40% menos caro, relatou Bogoch. No entanto, o regime de três medicamentos usado no PIP poderia potencialmente causar mais efeitos colaterais por um curto período em comparação com o uso contínuo de dois medicamentos para a PrEP.


"A PrEP (injetável, diária e sob demanda) e a PEP são fantásticas, mas ainda deixam lacunas significativas no cuidado. O PIP preenche essa lacuna de maneira satisfatória e permite que pessoas com baixa frequência de exposições de alto risco (e ocasionalmente não previstas) tenham autonomia sobre seu cuidado de prevenção do HIV", disse Bogoch à POZ. " Nem todo mundo quer esperar quatro horas em um pronto-socorro movimentado às 2 da manhã para falar com um estranho sobre o sexo sem preservativo que acabaram de ter, ou o estupro que acabaram de sobreviver, ou a agulha que enfiaram no braço. Tratamos os adultos como adultos e damos a eles o curso completo de PEP antecipadamente. Funciona, e as pessoas estão felizes."


"Nada é definitivo, e fazemos acompanhamento regularmente com os pacientes para reavaliar suas necessidades de prevenção do HIV", continuou. "As pessoas não seguem um caminho linear pela vida, e o risco de HIV é dinâmico. Trabalhamos com os pacientes para adaptar sua modalidade de prevenção do HIV para melhor atender às suas necessidades atuais e futuras. Esta é uma abordagem centrada no paciente e baseada em evidências."


Fonte: POZ Magazine

18 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page